O GRITO

13220819_1614417512213891_6160338740045791287_n   

 

POVO BRASILEIRO EM INTERVENÇÃO CONSTITUINTE NO PROCESSO HISTÓRICO EM FORO DE SOBERANIA

NO COMANDO SUPREMO E AUTORIDADE SUPREMA DAS FORÇAS ARMADAS.

 CÊRCO INTERVENTORIAL DE BRASÍLIA/DF.

BOLETIM PEDAGÓGICO PARA A NAÇÃO

ATRAVÉS DA POLÍCIA FEDERAL. PROCURADORIA-GERAL DA REPÚBLICA. OAB E ALTO COMANDO DAS FORÇAS ARMADAS PELA 15ª BIM/3ªRMS

 

 

  1. SOBRE A CULTURA JURÍDICA PARA ENTENDER A CONSTITUIÇÃO.
  2. A) – MORFOLOGIA DA DIALÉTICA INSTITUTIVA. Povo, Poder Constituinte e Cidadania são a mesma coisa. É a gênese da vida civilizada organizada por Constituição operada por Estado movido pela Lei, distribuído pelo Direito e consolidado pela Justiça, que nasce da tríade constitucional natural: NAÇÃO-TERRITÓRIO-SOBERANIA, e forma a concepção intelectual originária do ordenamento político da espécie humana em sua finalidade única na Criação, de procriar, sobreviver e raciocinar. Oferecendo a primeira doutrina de organização racional do Mundo, que alicerça o meio ambiente existencial humano sobre a convicção de que somos uma totalidade de corpos, uma totalidade de mentes e uma totalidade de espíritos, porém, em dissociação intelectual e dinâmica dos interesses que se distribui na espécie humana por duas determinantes genéticas: 1) habitação; 2) descendência, que estabelecem a base natural do Edifício Social, pela qual ela se deflagra em visão intelectual por três induções históricas: 1) instinto; 2) segurança; 3) perenidade, fazendo a Vertical do desenvolvimento evolutivo assentada sobre o PROGRESSO e projetada à QUALIDADE DE VIDA. Por onde a racionalidade atende o PROPÓSITO de Deus, de POVOAMENTO DA ETERNIDADE. É a gênese nuclear do CONSTITUCIONALISMO, que significa povo autorregido por Ente Ideológico formado de TRABALHO & INTELECTO: “Com o suor do rosto terás o pão.” “Amarás o teu próximo como a ti mesmo.” Disto emerge o: 1) sistema de poder; 2) a forma de governo; 3) a dinâmica econômica; 4) a harmonização social.
  3. B) EXEGESE, HERMENEUTICA E SEMÂNTICA DOGMÁTICA. Até o advento da Constituição brasileira, as civilizações constitucionais, por não conhecerem, ou cultivarem o CONSTITUCIONALISMO como religião, alicerçavam suas constituições no “Direito Constitucional,” que é um imaginativismo didático composto de fragmentos racionais da dinâmica política no percurso histórico da humanidade. Não têm gênese racional nas essências bio-espirituais da espécie humana. O CONSTITUCIONALISMO é primazia

 

judaica que estabelece o inter-relacionamento: Homem-Deus na realização do seu PROPÓSITO de POVOAMENTO DA ETERNIDADE. Na qual Deus está materializado na base da vertical do desenvolvimento evolutivo, pelo DINHEIRO composto da fusão: Homem-Trabalho-Resultado e na ponta da sua infinitude, pelo ESPÍRITO composto de: Consciência-Intelecto-Ideais.

A Constituição brasileira, que nasceu do CONSTITUCIONALISMO e não do “Direito Constitucional,” tal qual os “Dez Mandamentos,” preserva o Poder Constituinte no Poder Constitucional, que é a essência remota da racionalidade política democrática, do Criador na Criatura para que a Criatura se invista de perenidade no Criador; ou, do Poder Constituinte no Poder Constitucional para que este prevaleça sempre que a ordem jurídica e o regime democrático resultem sem instituições sobre a degeneração moral ou ideológica ou intelectual da civilização brasileira. Evidente que foi uma “novidade;” diante da qual José Sarney bradou: “Deixaram o País ingovernável.” E os “constitucionalistas” sentenciaram: “A Constituição brasileira é uma heresia no Direito Constitucional.” Mas, hoje ela é usada como livro didático em cursos de doutorado pelas universidades mais respeitadas do mundo. Então, nos parece que só cumpriu-se o vaticínio do saudoso Afonso Arinos, quando ela ficou pronta para ser promulgada: “Temo que estejamos fazendo a mesma coisa do general que equipou suas tropas com a melhor arma do mundo, mas elas nunca a tinham visto, e por isso, não sabem se a mira direciona o coice da arma ou o alvo do gatilho. E ai, vão se matar com a arma disparando no inimigo, que é o subdesenvolvimento somado com o ideologismo e todos os tipos de degenerações políticas e morais que atrasam o progresso do Brasil.” Concretizando-se o “auto expurgo de civilização pelo suicídio de poder da subversão comunista,” que o “Ideário da Revolução de 64” previra.

Logo, é compreensível que o bandido comunista terrorista Michel Miguel Temer Lúlia, na prática de esbulho do cargo público de Presidente da República, por assalto ao poder feito pelo Foro de São Paulo com o Instituto Lula, o Superior Tribunal Eleitoral, a Procuradoria-Geral Eleitoral, a Câmara dos Deputados, o Senado e o Supremo Tribunal Federal, com dinheiro roubado da Petrobrás, BNDES, Eletrobrás, Eletronuclear, Cofres Públicos e do povo, no qual pratica e comanda o roubo do País, o massacre da Nação e a destruição da Pátria, que se apresenta como “docente em Direito Constitucional,” não saiba que Constituição é CARTA NORMATIVA da civilização que ela projeta, e por essa natureza, é desprovida de aplicação dispositiva. Mas, não é tolerável que o Gen. de Ex. Eduardo Dias da Costa Villas Boas, tenha aceitado nomeação desse bandido, para ser capacho da bandidagem comunista terrorista no poder, contra a Constituição que as FORÇAS ARMADAS PRODUZIRAM por missão desempenhada pelo Signatário na Assembleia Nacional Constituinte; na qual, com Ulysses Guimarães, Afonso Arinos, Teotônio Vilela e Severo Gomes a escrevemos. Configurando-se pois, crime de alta traição, que impõe sua prisão pelo Exército; para cuja tarefa o POVO JÁ O AQUARTELOU.

 

 

                              2)  SOBRE A INTERVENÇÃO DO POVO NO PROCESSO HISTÓRICO

 

  1. A)SEUS PRESSUPOSTOS E CONSTITUCIONALIDADE. Estão no ESTADO DE ROUBO DO PAIS, MASSACRE COMUNISTA TERRORISTA DA NAÇÃO e DESTRUIÇÃO TRANSNACIONAL DA PÁTRIA, tipificado pela: RAZÃO DE ESTADO, CRISE INSTITUCIONAL DE ESTADO, ASSALTO AO PODER FEITO PELO  FORO DE SÃO PAULO, FALÊNCIA DO PAIS e CAOS SOCIAL. mostrado pelo CORPO DE DELITO DO PAÍS reconhecido e homologado pelos poderes constitucionais em sede de Processo Histórico no Foro de Soberania, na REAÇÃO DE CIDADANIA constante dos atos de cidadania invocatórios de veracidade e constitucionalidade perante o Supremo Tribunal Federal, Procuradoria-Geral da República, Congresso Nacional, Presidência da República, Polícia Federal, Ordem dos Advogados do Brasil, recebidos, aceitos, reconhecidos e homologados nos protocolos: PO 1300820 – 7.2.2013/ACFA; STF 142098/08.10.2008, STF 0038341, 29.2.2012, PR CODIN/POT/19.02.2012; SF29.02.2012; SF17.07.2012; SF11.06.2012 STF; PGR CD PR SFCFA 117.419 29.02012 30.05.2012, 10.10.12; DPF/MS 08335.025373/2012-65 27.11.2012; DPF/ MS 335.005016/2013-61 28.01.2013; DPF/DF 08001.08335.0032 35/2002-5; 08001.008976/2012-74; 08001.014173/20 12-59 – COGER/DPF; 08200.008079/2013-0308200.008592/2013-96; DPF/CEVEL-R 02.05.2013; MPF/MS-00000744/2014; PR-MS-00019658/2013. PR-MS-00000744/2014– 000 07 443 /201400007787/2014 R 02.05.2013; MPF/MS-00000744/2014; PR-MS 00019658/2013. PR-MS-00000744/2014– 000 07 443 /201400007787/2014 A.D. SF 15492345 1 BR; MPE/MS-PGJ – 043779-2/2; 018742-2/2019223-2/2M; CD 006198- 30.9.13; SPF 08335,006262/ 2014-11; PGR ]00001654/2014; PGR 0007443 PR 04.09.2013; PR JG 642440674BR STF AR-J6603237679BR; PF 08335.018120/2014-05; PGJ 022451-2/2; 022450-2/2 022450-2/2; 018742-2/2; 019223-22/, 01237180; 151113 1403 67; 01238632-1; 10123 1355; 11988/2014, 01237180; 151113 1403 67; 01238632-1; 10123 1355; 11988/2014, PGR 10058/2014. STF SF 82200437/2014; STF PE 6197258220; ACFA PE 513259353JH; STF PE 513269996JH;  STF PE 619725820JH; PRM-CAC-PR 10058/2014; PR PRM-CAC-PR 00010318/2014, além de outros. Pelo exercício direto do poder nos termos do art. 1º incs. I,II e Parág. único, com o art. 4º incs. II, III, VIII, o art. 5º caput e incs XLIII, LXXIII, §§ 2º e 3º, com o art. 37 caput, o art. 84 inc. XIII, com o art. 142 e o art. 80 com o art. 91 inc. VIII, mais o art. 144 da Constituição, que recepcionam o art. 1º com o art. 5º n. 1, o art. 10º n. 1, 2 da Convenção Americana Sobre Direitos Humanos, o art. 2º com o art. 21 n. 1 da Declaração Universal dos Direitos do Homem, a Resol. do CS/ONU n. 1.373 de 28.09.2001, e faz aplicável o art. 6º com o art. 8º da Carta Democrática Interamericana, e o art. 55 c, da Carta da ONU, com o Decreto n. 5.639 de 26.12.2005, e o Decreto n. 4.388 de 25.09.2002. E revelado em sede de responsabilidades penais no Foro Judiciário, pela “Operação Lava-Jato” que centraliza os diversos persecutórios infraconstitucionais sobre a bandidagem comunista terrorista no poder.

 

  1. B) SUA TIPICIDADE INSTITUCIONAL. Emerge do estado de massacre comunista terrorista da nação. A bandidagem respectiva desmontou o BRASIL ECONÔMICO de TRABALHO, EMPREENDIMENTOS E RIQUEZA objetivando a PRODUÇÃO para formação PATRIMONIAL à estabilidade econômica e geração tributária, construído pelo Governo na liderança da iniciativa privada, pela fusão perfeita da força empresarial promovendo o progresso, com a força de trabalho sustentando o emprego, que foi construído de 1964 a 1985; e montaram, com natureza de picadeiro, o BRASIL IDEOLÓGICO de DEPREDAÇÕES, CUSTOS, GASTOS, FARRAS, FESTAS, VIAGENS, ARRUAÇAS E BADERNAS, REGIDO POR BARGANHAS, CAMBALACHOS, SUBORNOS, PROPINAS, PECULATO E ROUBO COMPARTILHADO, com a força empresarial obstruída pelo peso tributário e de custos, prejuízos e insegurança do Estado, e estancada pelo emaranhado burocrático decorrente do seu gigantismo político, governamental e jurídico demonstrado por 94 milhões de encrencas judiciais entre 83 milhões de pessoas da população economicamente ativa. Por onde a democracia resultou numa cleptocracia com o país transformado num sindicato de ladrões.” Pela modalidade da redistribuição do País como despojo eleitoral, feita de dois em dois anos por estelionato eleitoral “pluralista” de partido único, o PARTIDO COMUNO-SOCIALISTA-ANARQUISTA-TERRORISTA dividido em 35 gangues alojadas no erário público e na corrupção com as oligarquias do poder, que se arregimentam em “coligações” para os sufrágios, e se distribuem em “bases parlamentares,” “governo participativo,” “coalisões políticas e “cúpulas supra partidárias de governabilidade.”

                              Na cúpula do Edifício Nacional está a bandidagem comunista terrorista fundamentalista “repatriando partes do roubo escondido no exterior,” para poderem permanecer entrincheirados na baderna institucional em que transformaram o Estado, e, nessa astúcia, extinguirem a punibilidade pelos respectivos crimes de roubos, evasão de divisas e lavagem de dinheiro, visto que são protagonistas e senhores do crime organizado no governo, operado por gangues políticas e gerido por corporações quadrilheiras, por “bandidos escondidos atrás de mandatos fazendo leis, para bandidos escondidos atrás da toga manter o terrorismo acordado como sistema de poder e a corrupção partilha como forma de governo.”

Isto rompeu o Estado Democrático de Direito na fusão do voto com a bala no mandato de Presidente da República, que preserva o Poder Constituinte no Poder Constitucional pela construção institutiva do art. 1º incs. I,II e Parág. único com o art. 4º incs. I,III, o art. 84 inc. XIII com o art. 142 da Constituição, extinguindo eficácia à Magistratura de Estado e desprovendo o Processo Histórico de regência normativa; dando emersão ao POVO EM FORO DE SOBERANIA NO COMANDO SUPREMO E AUTORIDADE SUPREMA DAS FORÇAS ARMADAS. Por onde o Estado Democrático de Direito está ABSORVIDO NA CONSTITUIÇÃO PELO PODER CONSTITUINTE QUE A PROMULGOU. Sem necessidade do povo se valer da revolução armada, porque, dessa forma, houve ruptura da estrutura operacional da Constituição, mas não da sua eficácia institutiva. O povo resultou com uma obstrução no Processo Histórico e não com a destruição do seu assento constitucional. Ao invés de golpe de estado para convocação de assembleia constituinte derivada para fazer a recuperação constitucional do País, a Constituição já está equipada com o Poder Constituinte instrumentalizado com a INTERVENÇÃO NO PROCESSO HISTÓRICO, que, por se compor da tríade genética do Constitucionalismo: Nação-Território-Soberania, assenta a operacionalidade da Constituição nas Forças Armadas e por ai, restaura a ruptura que destruiu eficácia à Magistratura de Estado e submeteu a ordem jurídica e o regime democrático ao crime organizado no governo, operado por gangues políticas e gerido por corporações quadrilheiras. E deixou a nação sem foro de socorro no Regime, porque, perante qualquer poder, em qualquer esfera, peticiona ao próprio bandido ou a protetor dele.

E esta é a situação do Brasil. A Constituição institui o Supremo Tribunal Federal, além da sua função jurisdicional, em Corte Constituinte na esfera do Foro de Soberania que recepciona o POVO NO EXERCÍCIO DIRETO DO PODER em sede de Processo Histórico pela INSTITUIÇÃO DA CIDADANIA instrumentalizada com a INTERVENÇÃO CONSTITUINTE que é procedimento forense, sujeito à estancamento pela Corte Constituinte, sobre invocatório a si apresentado, ou vindo de quaisquer dos poderes constitucionais. Quando o POVO reconhece no corpo de delito do País, tipificação da ruptura na preservação do Poder Constituinte pelo Poder Constitucional na Constituição, apresenta o mesmo em INVOCATÓRIO DE VERACIDADE E CONSTITUCIONALIDADE à Corte Constituinte no exercício direto do art. 1º incs. I,II e Parág. único com o art. 4º incs. I,III e o art. 84 inc.XIII com o art. 142 e o art. 101com o art. 102 caput da Constituição. Porquanto, o Foro de Soberania é desprovido do poder tutelar direto, e de consequência, de jurisdição magistral. Seu poder é institutivo, de CIDADANIA emergente da SOBERANIA que promulga a Constituição. Tanto é que a Corte de Cidadania é constituída de cidadãos de notável saber jurídico e reputação ilibada sabatinados pelo Congresso. Não sendo, pois, uma Corte Magistral e sim, CORTE CONSTITUINTE, porque sua esfera, restrita ao Processo Histórico não é decisória e sim de VIGILÂNCIA CONSTITUCIONAL SOBRE O REGIME. Tudo o que atente contra a Constituição é desfeito pela Corte Constituinte. Por isso o POVO EM FORO DE SOBERANIA instalou a REAÇÃO DE CIDADANIA perante a Corte Constituinte em dezembro de 2008; invocando a veracidade e constitucionalidade do suporte fático carreado pelas CPIs dos Correios e do Mensalão, que foi extraído da superfície do corpo de delito do País que continha esse suporte fático no seu estado de baderna oligárquica comunista terrorista de bandidos, que, daí em diante não cessou mais as suas explosões de entranhas, até resultar neste contexto uniformemente podre de condenados e magistrados sob o mesmo regime de confinamento; marginais e pessoas de bem sob o mesmo jugo de massacre, tortura e insegurança.

 

  1. C) DESFECHO E CONSEQUENCIAS DA INTERVENÇÃO: Com ampla homologação de consolidação forense da INTERVENÇÃO CONSTITUINTE NO PROCESSO HISTÓRICO, o povo, no dia 27 de dezembro de 2.016, deu execução à mesma, com o CÊRCO INTERVENTORIAL DE BRASÍLIA. Objetivando:
  2. a) O suprimento de vacância do cargo público de Presidente da República que está desocupado desde o dia 1º de janeiro de 2.015; que implica na prisão em flagrante pela Polícia Federal, de Dilma Vana Rousseff, Michel Miguel Lulia Temer, Eunício Lopes de Oliveira, Rodrigo Felipe Ibassa Epitácio Maia; envolvidos em: crime contra a Segurança Nacional, de atentado terrorista contra a Constituição; no qual estão na prática de esbulho do cargo público de Presidente da República por assalto ao poder;  roubo do País, já em mais de R$ 36 trilhões, provado por eles mesmos pela “repatriação de partes desse roubo;” massacre da nação, já com mais de 5 milhões de pessoas eliminadas e mais 13,3, milhões de outras nos corredores de extermínio pelo desemprego; destruição da pátria pela depredação física que, só nos corredores de extermínio em que virou a malha viária elimina 53 mil e aleija e fere outras 135 mil pessoas por ano; somada à falência do País por uma dívida pública interna de mais de R$ 5 trilhões e dívida privada de mais de R$ 1,96 trilhão, com a iniciativa privada em retração empresarial e recessão econômica, inflação e esgotamento total de provimento e socorro financeiro.

 

POVO BRASILEIRO EM INTERVENÇÃO CONSTITUINTE NO PROCESSO HISTÓRICO EM FORO DE SOBERANIA

NO COMANDO SUPREMO E AUTORIDADE SUPREMA DAS FORÇAS ARMADAS.

  1. b) A reintegração de posse da Instituição da Presidência da República, pelo POVO, que implica na apreensão pela Polícia Federal, de tudo o que houver dentro dos respectivos edifícios públicos, tais como: Palácio do Planalto, Palácio Jaburu, Palácio da Alvorada, Granja do Torto, avião presidencial e todas as extensões dela na República.
  2. c) Retomada do Processo Histórico com: 1) a recuperação da vocação de liberdade do povo brasileiro; 2) restabelecimento do Estado Democrático de Direito; 3) restauração da unidade da nação; 4) reencaminhamento do País para o trabalho; 5) reconstrução externa do Brasil; 6) encerramento da História do Brasil de 1.500 a 2.016 e instalação do Brasil em um TEMPO NOVO, cibernético, galáctico.

 

 

3) SOBRE A SITUAÇÃO PENAL E AS FALAS DO GEN. DE EX. EDUARDO DIAS DA COSTA VILLAS BOAS E SEUS EFEITOS.

 

A situação penal dele inicia tipificação por quatro eventos do respectivo parquet imputável:

  1. A) da sua composição com o banditismo comunista terrorista, que as revoltas nas penitenciárias da Amazônia trouxeram à tona, ao mostrarem que o Brasil naquela região onde ele exerceu o Comando do Exército da Amazônia, foi internacionalizado na “Pátria Grande” pelo crime organizado com Bolívia, Venezuela e Colômbia, que o agregava com o Estado Islâmico e “Revolução Bolivariana” na URSAL, UNASUL, URC. Cujas organizações ele visitou com seu “amigo Aldo Rebello” comunista terrorista companheiro de Assis Gurgacz, logo após ser posto por Dilma como seu preposto e capacho no “Comando do Exército.”
  2.   B) sua situação penal contra a Segurança Nacional, como integrante do Foro de São Paulo & Estado Islâmico no banditismo comunista terrorista fundamentalista, que lhe resulta da usurpação do “Comando do Exército,” por agregamento ao assalto ao poder feito pelo Foro de São Paulo com o Instituto Lula, Dilma Vana Rousseff, Michel Temer, José Dias Toffoli, Eduardo Cunha, Renan Calheiros e Ricardo Lewandowski, com dinheiro roubado da Petrobras, BNDES, Eletrobrás, Eletronuclear, Cofres Públicos e do Povo; e mandato fabricado para Dilma nas urnas eletrônicas e refabricado para Temer na Câmara e Senado pelo “impeachment de Dilma.” Em cujo complexo penal, o Gen. Villas Boas se sobressai como bandido de proa; qualificado por sua condição de bandido armado em regime de coação irresistível, contra a nação na soma penal de alta traição.
  3. C) sua responsabilidade direta de autoria no roubo do País, no qual roubou as próprias Forças Armadas em R$ 5.67 bilhões em 2.015 pela modalidade de “ajuste fiscal;” no massacre da nação, no qual esteve presente nas chacinas nas penitenciárias do Amazonas, Rondônia, e nos morticínios de rua do Espírito Santo, Nordeste e Rio de Janeiro, por “decreto de Michel Temer e “financiamento de R$ 100 milhões para os eventos;” na destruição da Pátria. Em cujo contexto de alta traição o Gen. Villas Boas soma contra si a submissão à Lei terrorista nº 12.528 de 18.11.2011, pela qual a bandidagem comunista terrorista restaurou o status quo ante da Revolução de 64 para se declararem vencedores e a nação, vencida em suas Forças Armadas e, como infame, responder em seus soldados vivos e mortos, por condenação perene como vencida; ora subjugada pela vitória deles que, segundo essa lei, aconteceu em 2.003, quando Luiz Inácio Lula da Silva declarou instalado o “Projeto de Poder do PT de Comunizar o Brasil Em 22 Anos.” E assim, os institui como heróis em luta “pelo proletariado contra as elites e o capitalismo” durante 61 anos;
  4.                   D) com essa conduta, o Gen. de Ex. Eduardo Dias da Costa Villas Boas renegou a PERENIDADE DA FARDA que mantém a ETERNIDADE DA PÁTRIA, pelos Símbolos, Valores, História e Tradições que as Forças Armadas guardam como se fossem AQUELES SOLDADOS ETERNOS QUE NASCERAM NO DIA 19 DE ABRIL DE 648 EM NAÇÃO BRASILEIRA NO MONTE GUARARAPES. Qualificados pelo MINISTÉRIO SAGRADO da Doutrina Cristã que produziu a civilização brasileira, de “MINISTROS DE DEUS, CONTRA OS MAUS.”  E existe em toda a humanidade destes dias, alguém que se assemelhe em desumanidade e maldade, a essa bandidagem comunista terrorista com a qual ele se agrega e à cujo amparo submete o Exército?

 

POVO BRASILEIRO EM INTERVENÇÃO CONSTITUINTE NO PROCESSO HISTÓRICO EM FORO DE SOBERANIA

NO COMANDO SUPREMO E AUTORIDADE SUPREMA DAS FORÇAS ARMADAS.

 

  •    . Logo, as desqualificações do Gen. de Ex. Villas Boas, perante as Forças Armadas brasileiras e as Forças Armadas de todo o mundo livre, sofrem a AGRAVANTE DA COVARDIA. Vez que, notificado já a tempo, pelo POVO NO COMANDO SUPREMO E AUTORIDADE SUPREMA DAS FORÇAS ARMADAS, para declarar o estado de marginalidade terrorista em que esbulha o Comando do Exército, reconhecendo

vacância do posto, não o faz de MEDO. Porque diz a psiquiatria que: “O medo é a característica identificadora de todo o bandido. Porque a covardia é a sua disfunção genética.” E quem seria mais bandido e mais covarde do que um GENOCIDA que já eliminou mais de 5 milhões de compatriotas por todos os tipos inimagináveis de atrocidades? E está com mais 13,3 milhões de outros nos corredores de extermínio pela miséria decorrente do desemprego? Na pratica do maior assalto e depredação da Pátria que o mundo registra nestes dias?

Então as falas do Gen. Villas Boas, já resultam desclassificadas por esse seu estado penal exposto. Todavia, lhe tipificam mais um crime de terrorismo contra a Segurança Nacional por atentado de conduta contra a Constituição que foram as Forças Armadas que produziram, após terem assentado a Pátria em sólidas bases infraestruturais para suportar o suicídio de poder da bandidagem comunista terrorista que viria por ela, como veio.  Por missão encarregada ao signatário Celio Evangelista Ferreira, em acordo com o invulgar estadista Ulysses Guimarães. E faz oportuna a repetição do esclarecimento respectivo.

Em primeiro lugar, a verborragia do Gen. Villas Boas é desconexa, incoerente e de analfabetismo desconstrangido do mesmo nível do analfabetismo do Lula, de Dilma, do Temer e da bandidagem comunista terrorista toda que, no campo da AUTORIDADE DE CÁTEDRAS, chega ao Supremo Tribunal Federal e infesta todo o Poder Judiciário com “bandidos escondidos atrás da toga e vagabundos se impondo pela intimidação na mercadejação forense de sentenças.” Pois, ao mesmo tempo em que o Gen. Villas diz que: “Não vai haver intervenção, porque isso é ilegal,” anuncia que: “Se Temer continuar atentando contra a Lava Jato, poderá ocorrer uma intervenção.”

 

Em segundo lugar, fala de oficial da ativa em esbulho de posto por formação com a bandidagem terrorista que as Forças Armadas combaterem com energia, não tem outro valor senão para avaliar-se a sua honradez e caráter. Porque, QUEM FALA PELAS FORÇAS ARMADAS É O POVO POR MEIO DO PRESIDENTE DA REPÚBLICA, OU, NA VACANCIA DO CARGO, POR QUALQUER DOS SEUS CIDADÃOS DE NOTAVEL SABER JURÍDICO E REPUTAÇÃO ILIBADA. Pois, na Constituição brasileira, as Forças Armadas são o que o nome diz: FORÇAS. E força é equipamento do PODER.  E este é o POVO constituído pela tríade genética do CONSTITUCIONALISMO: Nação-Território-Soberania, reconhecido pelos outros povos pela sua CAPACIDADE DE AUTODEFESA, que o faz INDEPENDENTE E AUDODETERMINADO. E isto é PODER CONSTITUINTE. Então, as Forças Armadas equipam o Poder Constituinte, como o revolver equipa o indivíduo. Se o indivíduo for agredido e não puxar o revolver e lhe acionar o gatilho contra o agressor, apanhará ou perecerá com ele na cintura. Assim são as Forças Armadas na Constituição brasileira. Se o POVO NÃO SURGISSE EM FORO DE SOBERANIA COM A INTERVENÇÃO NO PROCESSO HISTÓRICO, como a Constituição institui no art. 1º incs. I,II e Parág. único com o art. 4º incs. I,III e o art. 84 inc. XIII com o art. 142 e o art. 101 com o art. 102 caput da Constituição, no caso do ESTADO DE ROUBO DO PAÍS, MASSACRE COMUNISTA TERRORISTA DA NAÇÃO E DESTRUIÇÃO DA PÁTRIA, ele pereceria na escravidão do comunismo terrorista fundamentalista, equipado das Forças Armadas.

E, tão explícita a bandidagem comunista terrorista estabeleceu a divisão do Brasil entre ela e o povo brasileiro, na guerra convulsional terrorista que instalou com o “Projeto de Poder do PT de Comunizar o Brasil em 22 Anos,” que manteve as Forças Armadas como organização inimiga; assim as tratou com menosprezo, execração moral e esquartejamento de personalidade; e assim às condenou com a Lei terrorista nº 12.528/2011 e a Lei Complementar terrorista nº 276 de 24.4.20-14.

Em cujo contexto penal, o Gen. de Ex. Eduardo Dias da Costa Vilas Boas acrescenta às suas desqualificações para a FARDA, com mais a AUSÊNCIA DE VERGONHA. Que o faz uma criatura abjeta. Por falta de honradez e caráter, que são condições sine qua non no SACERDÓCIO SAGRADO DA FARDA

 

POVO BRASILEIRO EM INTERVENÇÃO CONSTITUINTE NO PROCESSO HISTÓRICO EM FORO DE SOBERANIA

NO COMANDO SUPREMO E AUTORIDADE SUPREMA DAS FORÇAS ARMADAS.

                                      Eis que a INTERVENÇÃO DO POVO NO PROCESSO HISTÓRICO equipa o FORO DE SOBERANIA como as ARMAS equipam as TROPAS. As armas, as munições, os veículos de locomoção, os rádios e instrumentos de engenharia militar com os soldados em toda a hierarquia, equipam o POVO EM PODER CONSTITUINTE. A alta traição é eventualidade remota nas Forças Armadas, porém, não impossível, porque ela é prevista e apenada severamente nas leis militares. Logo, submetidos ao banditismo comunista terrorista, na condição de capachos em que resultaram da “Revolução de 64” pela Lei terrorista nº 12.528 de 18.11.2011, os soldados poderiam praticar, na alta traição, mais o crime de apropriação indébita dos almoxarifados bélicos. O que configuraria ataque efetivo à Pátria. Nesta hipótese, a Constituição equipa o POVO com a SOBERANIA SOLIDÁRIA pela qual ele pode pedir pelos foros internacionais, ou diretamente aos governos, o SOCORRO HUMANITÁRIO de garantia da reintegração de posse dos almoxarifados bélicos pela REAÇÃO CONSTITUITE DE LEGÍTIMA DEFESA SOCIAL E DE AUTO DEFESA DA CONSTITUIÇÃO,

                                      Por isso, desde quando o Gen. de Ex. Eduardo Dias da Costa Villas Boas declarou que é comunista terrorista e proclamou que “Dilma Vana Rousseff é comandante-em-chefe das Forças Armadas,” e determinou aos seus comandados repulsa à intervenção, o atentado terrorista contra a Constituição se formalizou. E então, O POVO EM FORO DE SOBERANIA NO COMANDO SUPREMO E AUTORIDADE SUPREMA DAS FORÇAS ARMADAS PELO CIDADÃO QUE O LIDERA CONSTITUCIONALMENTE, preveniu a reintegração dos almoxarifados bélicos pela reverberação de entranhas do banditismo comunista terrorista, com a colocação do banditismo de campo sobre o banditismo do poder. Para o que, a INTERVENÇÃO se ampara: 1) no massacre terrorista da nação, que a divide ao extermínio por:

  1. a) depósitos humanos de população carcerária amontoadas ao extermínio pelo sistema de tortura terrorista prisional hedionda por super lotação, com cadeias para 50 presos abrigando 300 presos; para 450 presos, abrigando 2,5 mil; além de presos comprimidos dentro de camburões de recolhimentos e algemados em postes e árvores; a promiscuidade e absoluta falta de higiene; insalubridade; saneamento básico; tráfico de entorpecentes; má alimentação e total desassistência social, educacional e moral aos detentos;
  2. b) depósitos humanos de populações miseráveis e dependentes da caridade pública, amontoados às centenas no sistema de extermínio pela tortura terrorista nos corredores de extermínio do SUS, dos Municípios à União; tendo de se valer da Justiça quando algum médico em meio à organização de carniceiros, enfrenta o sistema e receita medicamentos e não as farinhas e substâncias inimagináveis que compõem a farmacopeia da saúde pública;
  3. c) depósitos humanos da força de trabalho amontoados aos milhares no sistema de eliminação pela tortura terrorista do desemprego, nas “agências de empregos,” nos “concursos públicos,” nas ruas e onde haja algum indício de colocação.
  4. d) depósitos humanos da força empresarial nos amontoados de desocupados e sem esperanças à eliminação pela tortura terrorista da destruição econômica do pais; retração, recessão e inflação;
  5. e) depósitos humanos da nação de bem nas prisões domiciliares, à destruição pela tortura terrorista da insegurança pública, insegurança jurídica, insegurança econômica e insegurança nacional.

Todas essas populações, em suas particularidades de sofrimento e tortura, são cidadãos e cidadãs membros do Poder Constituinte como eleitores. E nessa investiduras, são TODOS, INDISTINTAMENTE, titulares originários da Presidência da República e COMANDANTES SUPREMOS E AUTORIDADES SUPREMAS DAS FORÇAS ARMADAS. Daí, quem, no seio do povo, tem legitimidade superior a qualquer um desses amontoados humanos para fazer o expurgo de hierarquia nas Forças Armadas, se não houver mais HOMENS HONRADOS nas tropas para fazê-lo? Que diferença legal, moral e ética haveria entre capachos fardados e chacais em tortura entregues à justiça de próprias mãos, senão a vibração de hombridade que estes mostram em suas reações de derradeira dignidade humana nas prisões, e que repercutirão na Caserna, porque homens iguais existem ali ? Ou em que esfera do Regime se tem foro de socorro? Que diferença resta, diante da traição do Gen. de Ex. Eduardo Dias da Costa Villas Boas, entre seus comandados desqualificados pela situação de covardia e traição a que estão submetidos COMO CAPACHOS DE BANDIDOS, e BEIRA MAR, MARCOLA E OUTROS, ENCARCERADOS, PORQUE NÃO RECONHECEM OBEDIÊNCIA à leis feitas por bandidos? E ai, com quem será mais confiável o povo ficar? Com o Exército, ou com o CV, PCC ou as mais de 90 organizações de foras da lei? Pois, quem resulta regido pela lei, entre soldados capachos de bandidos, em traição à FARDA e AFRONTA À PÁTRIA por repugnante COVARDIA, e foras da lei assumidos mostrando HOMBRIDADE E DESASSOMBRO NO QUE SÃO? 

E, se as Forças Armadas, o Ministério Público, o Poder Judiciário –exceto a Justiça Federal-,  e a Ordem dos Advogados do Brasil estão compostos na ANARQUIA OLIGÁRQUICA COMUNISTA TERRORISTA FUNDAMENTALISTA que substitui o Estado Democrático de Direito, aninhada na Constituição por “emendas,” que a transformaram numa “colcha de retalhos do banditismo analfabeto e atrevido praticando o roubo do País, o massacre da nação e a destruição da Pátria, no povo em sua vocação de liberdade frustrada, É CONSTITUCIONAL, LÉGITIMO, MORAL, ESPIRITUAL E COERENTE que o POVO REAJA contra a população de bandidos  transnacional que o infesta nas instituições referidas, com a sua população brasileira insuspeita, que está sob sistema de extermínio por TORTURA CARCERÁRIA, TORTURA PREVIDENCIÁRIA, TORTURA TRABALHISTA, TORTURA EMPRESARIAL e TORTURA DE SGURANÇA PÚBLICA, SEGURANÇA JURÍDICA E SEGURANÇA POLÍTICAQUE COMEÇA COM A AUSÊNCIA DE FORO DE SOCORRO NO REGIME E CHEGA À FALÊNCIA DO PAÍS COM RETRAÇÃO, RECESSÃO, INFLAÇÃO E TRAGÉDIA GENERALIZADA EM TODO O MEIO AMBIENTE EXISTENCIAL DA NAÇÃO.

E como a Polícia Militar do Estado do Espirito Santo heroicamente mostrou ao mundo, o massacre terrorista que o povo brasileiro sofre não fica a dever em brutalidade, barbarismo e insanidade a tudo o que o banditismo terrorista apresenta por todos os termos do pretendido “Estado Islâmico.” Em apenas 14 dias sem a Polícia Militar nas ruas, aquele Estado registrou uma chacina de 177 mortos. E, como se aprende na Escola, que: “para tirar os bandidos da rua, se tem de tirar do poder, aqueles que, nas respectivas investiduras de autoridade produzem a degeneração moral que os gera,” o bandido terrorista no governo, Paulo Cesar Hartung Gomes com o bandido terrorista Michel Temer, colocaram o Exército contra a Polícia Militar, em atentado terrorista contra o art. 144 § 6º da Constituição. Vitimando-a por crimes de constrangimento ilegal, extorsão, e trabalho escravo. Como se já não bastasse o sistema de tortura terrorista ao qual ela está submetida por soldos atentatórios contra o art. 1º inc. III da Constituição e desprovimento total de condições de trabalho com segurança pessoal e de suas famílias.

Eis que a Polícia Militar do Estado do Espírito Santo, apenas usou do aquartelamento que é seu equipamento no desempenho da Segurança Pública em Foro de Soberania, imposto a si no art. 1º incs. I,II,III e Parág. único com o art. 3º incs. I/IV e o art. 144 § 6º da Constituição. Pois, o primeiro encargo de Segurança Pública da Polícia Militar no art. 144 § 6º da Constituição, é o combate ao roubo do País, massacre da nação e destruição da Pátria, no qual  o governador Paulo Cesar Hartung Gomes está envolvido com Michel Temer e a bandidagem terrorista toda, no roubo do País, massacre da Nação e destruição da Pátria. Daí não é a Polícia Militar do Estado do Espírito Santo que, já sob o sistema de tortura terrorista por massacre salarial e absoluta falta de equipamentos para o seu desempenho, inclusive do PRINCIPAL, que é SISTEMA CARCERÁRIO DE REPRESSÃO EDUCATIVA e não DEPÓSITOS DE PRESOS EM SISTEMA DE TORTURA TERRORISTA DE MASSACRE HEDIONDO, DESUMANO E INACENTAVEL. POIS, MESMO SENDO FORAS DA LEI, A POLÍCIA MILITAR LIDA COM SERES HUMANOS, PROTEGIDOS NA CONSTITUIÇÃO COM OS MESMOS DIREITOS HUMANOS DE TODAS AS PESSOAS.

                                    E PARA NÃO RESULTAR EM CORPORAÇÃO ARMADA NO BANDITISMO COMUNSITA TERRORISTA NO PODER, DE EXTERMÍNIO DA POPULAÇÃO INFRATORA POR TORTURA PRISIONAL TERRORISTA, AS POLÍCIAS MILITARES DE TODA A REPÚBLICA, TÊM DE SE POSICONAR SOBRE A BANDIDAGEM NO PODER, PELO SEU EQUIPAMENTO PARA ISSO, QUE É O AQUARTELAMENTO. SENÃO, RESULTAM EM CORPORAÇÕES DE BANDIDOS NO PODER CONTRA BANDIDOS DE CAMPO. POR ONDE ELIMINAM O ESTADO E FAZEM IMPERAR A CARNIFICINA.

 

POVO BRASILEIRO EM INTERVENÇÃO CONSTITUINTE NO PROCESSO HISTÓRICO EM FORO DE SOBERANIA

NO COMANDO SUPREMO E AUTORIDADE SUPREMA DAS FORÇAS ARMADAS.

                                  

  1.     A OBJETIVIDADE CONSTITUCIONAL INCONTORNÁVEL DA INTERVENÇÃO.

                              Como está demonstrado a INTERVENÇÃO DO POVO NO PROCESSO HISTÓRICO é imposição do estado de massacre terrorista comunista fundamentalista da nação, que a erige em estado de auto defesa da Constituição e em legítima defesa social. Em cuja situação, O POVO EM FORO DE SOBERANIA NO COMANDO SUPREMO E AUTORIDADE SUPREMA DAS FORÇAS ARMADAS, na execução do art.  1º incs. I,II,III e Parág. único, com o art. 3º incs. I/IV, art. 5º §§ 2º,3º com o art. 84 inc. XIII e o art. 142 com o art.  144 § 6º da Constituição,

 

1) DETERMINA ÀS POLÍCIAS MILITARES DE TODA A REPÚBLICA, EM REGIME

                                  DE INTERVENÇÃO CONSTITUINTE NO PROCESSO HISTÓRICO,

 

que entrem em AQUARTELAMENTO contra a bandidagem comunista terrorista no poder,  que estão destruindo eficácia à Constituição e afrontando a humanidade toda por ataque terrorista à Declaração Universal dos Direitos do Homem, à Carta da ONU, a Convenção Americana Sobre Direitos Humanos, a Carta Democrática Interamericana, com a Resol. do CS/ONU nº 1.373 de 28.09.2002, incorporados à Constituição no art. 1º inc.. III  com o art. 4º incs. II,VIII e o art. 5º incs. X, XLIX §§ 2º,3º, com o art. 84 inc. XIII, o art. 142 e o art. 144 § 6º da mesma, e ratificados pelo Dec. nº 4.388 de 25.9.2002 e o Dec. nº 5.639 de 26.12.2005. Sob pena de, em não o fazendo, resultarem tipificados em corporações terroristas armadas de massacre na bandidagem de campo que integram o banditismo comunista terrorista, com a bandidagem no poder; por onde o Brasil resulta SEM ESTADO, e, de consequência, SEM O RQEUISITO FUNDAMENTAL DA REPRESSÃO POLICIAL, que é a LEGITIMIDADE OPERACIONAL DE INVESTIDURA dada pelo PODER DE COAÇÃO DO ESTADO.

 

2) DETERMINA ÀS POLÍCIAS CIVIS E AGENTES CARCERÁRIOS DA REPÚBLICA,

                                EM REGIME DE INTERVENÇÃO CONSTITUINTE NO PROCESSO HISTÓRICO,

 

que encaminhem à Corte Constituinte, (STF) nos termos do art. 1º incs. I,II,III e Parág. único com o art. 3º incs. I/IV, o art. 4º inc. II, VIII e o art. 5º incs. X,XLIX §§ 2º,3º, com o art. 84 inc. XIII e o art. 142, com o art. 101 e o art. 102 caput da Constituição, com a Declaração Universal dos Direitos do Homem, à Carta da ONU, a Convenção Americana Sobre Direitos Humanos, a Carta Democrática Interamericana, pedido de instrução imediata de solução do sistema de massacre das populações carcerárias por tortura terrorista de amontoamento das populações presas, em depósitos hediondos, fétidos, sem saneamento básico, sem o mínimo de atenção à dignidade humana exigida a eles na Constituição, em absoluta promiscuidade e entregues à mais satânica forma de extermínio humano; ficando desse momento em diante, o sistema prisional à responsabilidade da bandidagem comunista terrorista no poder, que tem sua sustentação na Corte Constituinte, sob pena de PARALIZAÇÃO DOS SRVIÇOS POLICIAIS CIVIS E DE AGENTES PENITENCIÁRIOS, como forma das Polícias Civis e Agentes Penitenciários se desvincularem da bandidagem comunista terrorista no poder que produzem o estado de apodrecimento moral da civilização brasileira que desagua na Justiça por 96 milhões de demandas entre 83 milhões de indivíduos da população economicamente ativa, com a produção de 174 assassinatos por dia, mais de 100 estupros de mulheres e crianças por dia, uma ocorrência marginal a cada 0,11 minutos, na prosperidade do banditismo comum de 1.024% de 2.003 a 2013. Não se tendo mais Estado porque ele está substituído pela ANARQUIA OLIGÁRQUICA COMUNISTA TERRORISTA DE BANDIDOS bifurcados em bandidagem no poder aninhados no erário público e ocupados em roubar o País, massacrar a Nação e destruir a Pátria, e bandidagem de campo aninhados no “fome zero” e ocupados em matar, estuprar, sequestrar, assaltar, roubar e aterrorizar a população; constituídos pelo crime organizado no governo, operado por gangues políticas e geridos por corporações quadrilheiras, com “bandidos escondidos atrás de mandatos fazendo leis, para bandidos escondidos atrás da toga manter o terrorismo acordado como sistema de poder e a

corrupção partilhada como forma de governo.” Na degradação de civilização esboçada neste Ato.

 

Pois a condição institucional incontornável da INTERVENÇÃO DO POVO NO PROCESSO HISTÓRICO, é a:

1) extinção da ordem jurídica e do regime democrático, que implica na eliminação das instituição e prevalecimento da anarquia comunista terrorista de bandidos. Porquanto, como a lucidez da nação expressada por Juízes, Promotores e os juristas que se revolvem no meio do estado de roubo e massacre comunista terrorista da nação observam: “A criminalidade, o apodrecimento político, o analfabetismo, a desinformação e o despatriotismo se somam num contexto de banditismo ideológico transnacional que constitui o fato jurídico apenável, mas o Estado não tem instituições para amparar o seu Aparelho Repressor.”  O que é ledo engano posto pelo analfabetismo jurídico dos “doutores em direito” que preenchem os poderes públicos por “concursos,” desprovidos de habilitação escolar, cultural e intelectual para lerem a Constituição. Porquanto, se soubessem ler a Carta Dogmática, já em 2.003 quando Luiz Inácio Lula da Silva declarou a submissão do Brasil ao “Projeto de Poder do PT de Comunizar o Brasil em 22 Anos,” já teriam reagido pela INSTITUIÇÃO DA CIDADANIA, com a INTERVENÇÃO CONSTITUINTE NO PROCESSO HISTÓRICO, que o expurgaria do poder e manteria a hegemonia constitucional da Ordem Política. Mas, ao analfabetismo das hostes do poder, evidencia-se que 85% delas, somam a alienação ao “socialismo” em que virou o comunismo depois que acabamos com a União Soviética. O qual se compôs no seio do art. 1º inc. V da Constituição, na forma ao final registrada. E isto está mais vibrante na Procuradoria-Geral da República e no Supremo Tribunal Federal, de onde jorra toda a metástase “ideológica” que transformou o Ministério Público e o Poder Judiciário em campo econômico de enriquecimento por aninhamento nos cofres públicos, de exploração do apodrecimento moral e intelectual da nação. Ninguém faz “concurso” para ser juiz, promotor, procurador, por vocação, mas sim, para garantir vitaliciedade ao enriquecimento às custas do massacre terrorista da nação. E 14% dessa mesma casta infesta as Forças Armadas; de cuja porcentagem saíram os “comandantes” que estão ai.

  • . Além dessa submissão ideológica dolosa das hostes técnicas do poder, se elas soubessem ler a Constituição, teriam visto, quando o Ministério Público Federal apresentou a sua proposta de lei com as “dez medidas contra a corrupção,” que as instituições extintas ao ponto desse desespero, têm na Constituição, o suprimento institucional constituinte na PRESERVAÇÃO DO PODER CONSTITUINTE NO PODER CONSTITUCIONAL, INSTITUINDO O FORO DE SOBERANIA EQUIPADO COM A INTERVENÇÃO CONSTITUINTE NO PORCESSO HISTÓRICO. Por onde o POVO ABSORVE O ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO SUPERADO E LHE RESTAURA A ORDEM JURÍDICA E O REGIME DEMOCRÁTICO. Pois, acima de serem

juízes, promotores de justiça, procuradores, advogados, SÃO CIDADÃOS MEMBROS DO PODER CONSTITUINTE preservado no Poder Constitucional justamente para esta ocasião do suicídio de poder da bandidagem comunista terrorista. Daí se impor a necessidade do POVO EM INTERVENÇÃO NO PROCESSO HISTÓRICO, discriminar no grau de dolo e culpa das hostes técnicas do poder, a determinação ideológica de levar o “capitalismo” e “as elites” à tragédia em que submetem o País, e o agregamento a isso por burrice. Somente para dosagem de penas, porque o ordenamento jurídico do mundo livre não aceita a “ignorância da lei,” como excludente de responsabilidade. Isto porque, a hombridade, honradez, caráter e lucidez são dotações genéticas da espécie humana, que equipa todas as pessoas, do “direito natural” e discernimento moral.

2) a ausência de foro de socorro no regime, porque, perante qualquer poder ou instituição, o povo peticiona ao próprio bandido ou a protetor dele. Situação que o Ministério Público Federal prova com o seu “projeto de lei popular anticorrupção.” O qual mostra que ele reconhece a superação da ordem jurídica e do regime democrático pelo banditismo comunista terrorista composto pelo crime organizado no governo, operado por gangues políticas e gerido por corporações quadrilhas que “emendam a Constituição,” mas se operam pelos “bandidos escondidos atrás de mandatos fazendo leis, para os bandidos escondidos atrás da toga manterem o terrorismo acordado como sistema de poder e a corrupção partilhada como forma de governo.” Sobre isso, o desempenho marginal do Supremo Tribunal Federal dispensa fundamentações de Ciência Jurídica. Como, por exemplo, o “rejulgamento da AP 470” em favor dos bandidos nela condenados; a “intervenção de força jurisdicional arbitrária” equipada com ameaça à vitaliciedade de aninhamento privilegiado nos cofres públicos, na 3ª Vara da Justiça Federal, Seção Judiciária do Paraná, sem o necessário procedimento do Conselho Nacional de Justiça, com propósito claro de destruir a “Operação Lava Jato” por disseminação processual dos bandidos apresentados; e, enfileirando-se nessa conduta, a acolhida monocrática ao bandido Moreira Franco nomeado pelo bandido Michel Temer, para seu “ministro” com evidente propósito de lhe dar “foro privilegiado” que o STF confirmou depois de tê-lo negado aos bandidos Dilma/Lula. Embrulhando a falcatrua com “emenda constitucional sui generis” do STF, que torna a instituição do foro privilegiado, faculdade do STF, a denunciar dependência de “preço decisório.” Mostrando que no banditismo comunista terrorista no poder, a bandidagem se compõe e se descompõe de acordo com o que impõe ao País, o banditismo comunista terrorista. Contra cuja situação, a Constituição equipa a civilização brasileira com o Foro de Soberania instrumentalizado com a INTERVENÇÃO CONSTITUINTE NO PROCESSO HISTÓRICO.

 

 

                                  6.  PARA AS DETERMINAÇÕES AQUI CONSIGNADAS, O POVO ACUSA PERANTE

                                   A NAÇÃO, PARA REAÇÃO DE CIDADANIA DE LEGÍTIMA DEFESA SOCIAL, QUE

 

                               os bandidos responsáveis pelas chacinas nas populações carcerárias; pelas chacinas no SUS; pelas chacinas no desemprego; pelas chacinas na destruição empresarial; pelas chacinas na insegurança pública, insegurança jurídica, insegurança política, que compõem o massacre da nação já com mais de 5 milhões de vítimas e outras 13,3 milhões nos corredores de extermínio; executadas pelos SISTEMAS DE TORTURA TERRORISTA JÁ MENCIONADOS, ACRESCIDOS DA FALÊNCIA DO PAÍS COM RETRAÇÃO, RECESSÃO, INFLAÇÃO E TRAGÉDIA GENERALIZADA EM TODO O MEIO AMBIENTE EXISTENCIAL DA NAÇÃO, são:

Michel Miguel Temer Lulia; Dilma Vana Rousseff; José Dias Toffoli; Eduardo Constantino Cunha; José Renan Vasconcellos Calheiros; Enrique Ricardo Levandowski; Eunício Lopes de Oliveira; Edison Lobão, Rodrigo Felipe Ibassa Epitácio Maia; Luiz Inácio Lula da Silva, José Ribamar Ferreira de Araújo Costa, Roseana Sarney, Sarney Filho, Fernando Henrique Cardoso, Aécio Neves, Ana Arraes, Fernando Collor, Magalhães Neto, Ciro Gomes, José Agripino Maia, Jorge Konder Bornhausen, Antony Garotinho, Marta Suplicy, Guido Mantega, Paulo Bernardo, Henrique Meireles, Alexandre de Morais, Alexandre Tombini, José Serra, Celso Amorim, Eugênio José Guilherme de Aragão, Roberto Requião de Mello e Silva, José Eduardo Cardoso, José Grazziano, José Rainha, José Roberto Freire,  Roberto Gurgel, João Pedro Stedile, Jaque Freitas, , Assis Gurgacz, Aldo Rebelo, Nelson Jobim, Jaques Wagner, Aloisio Mercadante, Gilberto Kassab, Ricardo Berzoini, Valdir Simão, Juca Ferreira, Armando Monteiro, Patrus Ananias, Tereza Campello, Joaquim Levy, Guilherme Afif Domingos, Elizeu Padilha, Antônio Marcus Vinicius Furtado, Carlos Lupi, Rui Falcão, Nelson Barbosa, Nilma Nino Gomes, Miguel Rossetto, Nelson Trad Filho, Eleonora Menicucci, Ivan Martins Pinheiro, Antônio Palloci, Katia Abreu, Sergio Cabral, Arthur Cesar Menezes Soares Filho, Adriana Anselmo;  Gen. de Ex. Eduardo Dias da Costa Villas Boas, Alm. de Esq. Eduardo Bacellar Leal Ferreira e Tnte. Brig. do Ar. Nivaldo Luiz Rossato.apontados na cúpula da organização transnacional de bandidos que se arregimentam em banditismo comunista terrorista bifurcado em:

1) bandidagem no poder alojados no erário público e ocupados em roubar o País, massacrar a Nação e destruir a Pátria, pelo crime organizado no governo, operado por gangues políticas e gerido por corporações quadrilheiras, que distribui a respectiva organização pelo: PMDB, PTB, PDT, PT, PSB, PSDB, PTC, PSC, PMN, PRP, PPS, PV, PCB, PBC, PTdo B, PSTU, PRTB, PHS, PSDC, PCO, PTN, PSC, PRB, PSL, PR, PSD, PROS, SP, PMB, DEM, PCdo B, PP, PCB, PRTB e RED. Assistidos pelos “especialista,” “intermediadores” e “negociadores” que estão espalhados por todo o tecido institucional e as estruturas operacionais da República.

2) bandidagem de campo alojados no “fome zero” e ocupados em traficar drogas, matar, assaltar, estuprar, sequestrar, roubar e aterrorizar a população, com sua cúpula representada por Beira Mar, (preso na Sup. PF/Brasília); Marcola Camacho (preso no Presid. S. Bernardo SP), Zé Roberto da Compensa, Pedrinho Matador, Dudu, Julinho Carambola, Comendador Arcanjo, Isaias do Borel, Julinho. que distribuem a respectiva organização pelo PCC, CV, FDN, TCC, CRBC, CDL, SS, DCMS, TC, ADA, IDI, AJ, AD, B.dos 40; PCN; ER; 300 Esp.; PCM; ERam; B. dos 300; CC; GDA; PCM; BI; PGE; B. dos 40; ADM; COM; B. dos 300M; PCM2; PCE; CP; BM; KATIARA; CPr; CAVEIRA; CMO; PJ; PCMpr; PCMG; MP; PI; PCU; CJUC; GF, CDLcr, PGC2, PCRV, CL, SN, SC,PL, PGO, FRC, BC, OSTAURAS, V7, OSAl. UPP, CPC, AL, PCPr, PCLms, DG, BPj, BCcuia, CVmt, ALro, CPro, Bdos 13; 3º CP; Carecas do ABC; Comando da Paz; CRBC, Máfia do Lixo, Esquadrão da Morte. Assistidos pela Depen, “Pastoral Carcerária,” outros serviços religiosos e ONGS de “direitos humanos” que tomam dinheiro público em nome dos presos.

É isto, pois, que precisa ser erradicado da civilização brasileira, para que a nação volte à unidade e integração pelo progresso alcançado de 1964 a 1985. O que implica na INTERVENÇÃO CONSTITUINTE NO PROCESSO HISTÓRICO, na qual as Forças Armadas, a Polícia Federal, o Ministério Público, a Justiça Federal, as Polícias Militares, as Polícias Civis, os Agentes Penitenciários, a Ordem dos Advogados do Brasil estão equipando o POVO EM FORO DE SOBERANIA PARA A RESPECTIVA EFETIVAÇÃO.

 

                              

  1. ENCERRAMENTO.

 

Nestes desfechos da inteligência educada pelo DIREITO, o jurista entende o derradeiro ensinamento do Patrono da Classe, “Jesus Cristo o Justo,” quando, ali igualado aos bandidos com ele executados, descobriu no bandido que lhe solicitou acolhimento, a FORÇA DE AÇÃO para a efetivação do seu projeto de salvação, que havia sido rejeitado até mesmo pelos 12 seguidores mais íntimos que dele haviam extraído tudo, e, um o traiu, outro o negou e os 10 restantes fugiram. Mas, ali, ao seu lado, emergira do lado do avesso da vida, um seu igual, lhe solicitando acolhimento no seu projeto. E dele, tirou o modelo que encontrou em Paulo de Tarso, seu perseguidor e assassino; o qual o levou aos quatro cantos do mundo. E aí estamos nós, PRODUTO DA CIVILIZAÇÃO CRISTÃ que dura mais de 2 mil anos e já nos levou à Marte e nos levará por todo o seio da Via Láctea, porque DEUS É ILIMITADO E NOS SOMOS A SUA IMAGEM E SEMELHANÇA. E SOMOS SOMENTE ISSO, COM BEIRA MAR, MARCOLA, E OS MILHÕES DE BRASILEIROS AQUI APRESENTADOS, SOB O MESMO JUGO DO EXTERMÍNIO PELA TORTURA TERRORISTA NAS DIVERSAS MODALIDADES QUE A SOFREMOS.

                                      Então, o Signatário que escreveu a Constituição, teria, agora, na execução dela, alguma diferença da Polícia Militar, Polícia Civil, Agentes Penitenciários, Beira Mar, Marcola, Zé Roberto da Compensa, Pedrinho Matador, Julinho Carambola, diante da traição que sofreu nas Forças Armadas? NÃO! Porque o Gen.de Ex. Eduardo Dias da Costa Villas Boas, É TÃO BANDIDO QUANTO ELES! Como o próprio Signatário o é, porque, neste DECOMPOSTO DE CIVILIZAÇÃO VENCIDA, SOMOS O QUE NELA RESULTAMOS COMO TOTALIDADE DE CORPOS, TOTALIDADE DE MENTES E TOTALIDADE DE ESPÍRITOS EM DIMENSÃO HISTÓRICA.

 

                             E é dessa decomposição que temos de EMERGIR NUMA CIVILIZAÇÃO NOVA. O QUE IMPLICA NUMA CABEÇA MAIS ESTENDIDA PARA RACIOCÍNIOS MAIS PROFUNDOS NA INTELIGÊNCIA DA CRIAÇÃO, AINDA QUE POSSA NOS FALTAR BASE CONSAGRADA NAS ESTRUTURAS INSTITUCIONAIS E PEDAGÓGICAS SUPERADAS.

 

Quartel General do Exército – Brasília/DF, 03 de março de 2.017

 

celio evangelista ferreira do nascimento

na liderança constitucional do povo

no comando supremo e autoridade suprema das Forças Armadas

 

LEIA O DOCUMENTO EM PDF OGRITO

INSTRUÇÃO AOS SOLDADOS SOBRE HIERARQUIA

Anúncios

Comentários desativados em O GRITO

Arquivado em Documentos, Forças Armadas, Notícias do Front, PROJETO AMAZÔNIA

Os comentários estão desativados.