EXECUÇÃO CONSTITUINTE PELAS ARMAS

Celio Ferreira – 18.JANEIRO.2017

E assim a Constituição institui para não haver desculpa às Forças Armadas, quando se verifique atraso decisório no Foro Judiciário sob intervenção plenamente tipificada no Foro de Soberania, como in casu, a civilização brasileira está em perecimento generalizado. Pois, a dignidade humana, a moralidade pública, a reputação ilibada e o decoro no cargo são dogmas constitucionais de fundação do Regime; dai, estampada a sua violação no corpo de delito do País, está satisfeita a tipificação do atentado terrorista contra a Constituição, para a sua EXECUÇÃO CONSTITUINTE PELAS ARMAS. Porquanto, Constituição não se recupera, se executa pelas Armas. Ou então, ela não é Constituição e sim carta política de preceitos institutivo. Em cuja natureza se arrola grande volume das constituições do mundo. Exceto a Constituição dos EUA e a Constituição do Brasil, que são PRODUTO DO CONSTITUCIONALISMO como os Dez Mandamentos, e não de “Direito Constitucional.”

Merecendo ressaltar ainda, que nada mais significa ao reconhecimento do comando supremo e da autoridade suprema das Forças Armadas pelo povo, a enrolação da “cassação da chapa eleitoral Dilma/Temer” pelo Superior Tribunal Eleitoral, que, sob comando de José Dias Toffoli fabricou o mandado de Dilma nas urnas eletrônicas, porque o reconhecimento do assalto ao poder pelo atentado terrorista já foi feito pelo VEREDICTO PROCLAMATÓRIO do Ministro Gilmar Mendes, Presidente atual do TSE: “A PRIORI, O BRASIL ESTÁ SEM PRESIDENTE DA REPÚBLICA. O QUE, TALVEZ, ATÉ AJUDE” na INTERVENÇÃO CONSTITUINTE em promoção.

Diante desse veredicto proclamatório, cumpria aos comandantes superiores, subalternos, de base e de postos, declararem vaga a hierarquia militar e convocar o povo pelo Supremo Tribunal Federal a preenche-la, se já não estivesse instaurado o procedimento interventorial perante o STF pelo PET 142098/2008-(expedientes de Estado) e PO 1300820 – 7.2.2013/ACFA, formalizado pelos PROTOCOLOS: STF 0038341, 29.2.2012, PR CODIN/POT/19.02.2012; SF29.02.2012; SF17.07.2012; SF11.06.2012 STF; PGR CD PR SF; CFA 117.419 29.02012 30.05.2012, 10.10.12; DPF/MS 08335.025373/2012-65 27.11.2012; DPF/ MS 335.005016/2013-61 28.01.2013; DPF/DF 08001.08335.0032 35/2002-5; 08001.008976/2012-74; 08001.014173/20 12-59 – COGER/DPF; 08200.008079/2013-03; 08200.008592/2013-96; DPF/CEVEL-R 02.05.2013; MPF/MS-00000744/2014; PR-MS-00019658/2013. PR-MS-00000 44/ 2014– 000 07 443 /2014 – 00007787/2014 R 02.05.2013; MPF/MS-00000744/2014; PR-MS-00019658/2013. PR-MS-00000744/2014– 000 07 443 /2014 – 00007787/2014 – A.D. SF 15492345 1 BR; MPE/MS-PGJ – 043779-2/2; 018742-2/2019223-2/2M; CD 006198- 30.9.13; SPF 08335,006262/ 2014-11; PGR 00001654/2014; PGR 0007443 PR 04.09.2013; PR JG 642440674BR STF AR-J6603237679BR; PF 08335.018120/2014-05; PGJ 022451-2/2; 022450-2/2 022450-2/2; 018742-2/2; 019223-22/, 01237180; 151113 1403 67; 01238632-1; 10123 1355; 11988/2014, 01237180; 151113 1403 67; 01238632-1; 10123 1355; 11988/2014, PGR 10058/2014. STF SF 82200437/2014; STF PE 6197258220; ACFA PE 513259353JH; STF PE 513269996JH; STF PE 619725820JH; PRM-CAC-PR 10058/2014; PR PRM-CAC-PR 00010318/2014, PRN-CAC-PR00006715/2016 – STF/JR006694447/BR-08.09.2016; E PROVIDÊNCIAS DE 18.10-7.11-16.11- 22.11-30.11 P/PF, PGR E AC/FA, PRN-CAC-PR 00006215/2016 -31/08/016 – MPF, e STF/JR006694447BR – 08/09/016, SPA-CDOCISDO – Carolina Santana de Oliveira Matr. STF nº 3168, além de outros, em âmbito nacional e internacional.

Então, está devidamente formalizada REAÇÃO DE CIDADANIA em sede de Processo Histórico no Foro de Soberania, pelo POVO NO COMANDO SUPREMO E AUTORIDADE SUPREMA DAS FORÇAS ARMDAS para fazer a REINTEGRAÇÃO DO GOVERNO CONSTITUCIONAL na Instituição da Presidência da República, formalmente reconhecida e proclamada vaga pelo Superior Tribunal Eleitoral, em cima de fabuloso corpo de delito do País que assim o impõe. E na qualidade de líder constitucional da nação nesse desfecho da subversão comunista terrorista, e de titular de desempenho no “Ideário da Revolução de 64” que produziu a Constituição, eu Celio Evangelista Ferreira do Nascimento ME DECLARO TITULAR CONSTITUINTE INTERINO AO CARGO DE PRESIDENTE DA REPÚBLICA, MAGISTRATURA DE ESTADO E COMANDO SUPREMO E AUTORIDADE SUPREMA DAS FORÇAS ARMADAS, e nessa titularidade eventual, constitucional, legítima e impositiva, SOLICITO através do Exército, aos Srs. Oficiais das 3 Armas, em estado de esbulho de comandos superiores, subalternos, de bases e de postos por associação operacional com Dilma Vana Rousseff e Michel Miguel Temer Lulia, que denunciem in solidum ou separadamente, ao POVO NO COMANDO SUPREMO E AUTORIDADE SUPREMA DAS FORÇAS ARMADAS, perante mim que o lidero constitucionalmente na INTERVENÇÃO CONSTITUINTE NO PROCESSO HISTÓRICO, no Quartel da 15ª Brigada de Infantaria Mecanizada do Comando Militar do Sul, na Rua Rio de Janeiro, 229, Centro, 85.801-030 na Cidade de Cascavel-Pr., a vacância na hierarquia das Forças Armadas, em virtude delas não poder reconhecer a investidura mandatária do art. 84 inc. XIII com o art. 142 da Constituição à Dilma Vana Rousseff e Michel Miguel Temer Lulia para ocuparem a Instituição da Presidência da República em comando supremo e autoridade suprema das Forças Armadas. Em decorrência do que, não reconhecem Raul Jungmann como “Ministro da Defesa.” Para que, face à essa denúncia, Celio Evangelista Ferreira do Nascimento, pela posição que assume aqui perante as Tropas, possa regularizar lhes cautelarmente a situação, até a sua posse constituinte interina na Presidência da República, quando então, sob aconselhamento com as Tropas, restaurará a hierarquia em sua plenitude constitucional; inclusive com o Oficial Superior que lhe for indicado para a Pasta da Defesa.

E neste mesmo ato SOLICITO aos Srs. Oficias das 3 Armas a indicação de nomes militares em listas tríplices, para o preenchimento das Pastas: da Secretaria Geral da Presidência; da Casa Militar e da Secretaria de Segurança Institucional da Presidência da República, bem como a indicação de nomes militares e civis em lista tríplice, para nomeações ao Conselho Econômico de 4 Membros que dirigirá o Ministério da Fazenda, Planejamento Governamental, Orientação Empresarial, Estatística e Contabilidade a ser criado. E, a pauta das necessidades financeiras das Forças Armadas nos próximos dois anos, para a retomada do “Programa Eletronuclear,” da Base de Alcântara, da Avibras, do Projeto Calha Norte, Segurança Espacial das Fronteiras, do reempreendimento das Usinas Hidroelétricas do Rio Madeira e Belo Monte, do Sistema Viário Logístico, Armazéns e Terminais de Exportações que ficarão ao encargo das Forças Armadas. À cuja administração passará também a Petrobrás, o Pre-sal, e o controle das indústrias extrativas.
SOLICITO ainda, aos Srs. Oficiais das 3 Armas, Sugestão Técnica para a REORGANIZAÇÃO ADMINISTRTIVA CIBERNÉTICA DA REPÚBLICA, envolvendo a União do Poder Executivo às Prefeituras Municipais, através da CENTRAL DE PROCESSAMENTO E DISTRIBUIÇÃO ADMINISTRATIVA em Brasília/DF, atendendo a Presidência da República, as Governadorias Estaduais e as Prefeituras Municipais. Vez que a EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA DA UNIÃO será distribuída por processamento administrativo unificado, nas três esferas da Federação. E nisso, as Forças Armadas são as únicas instituições que têm know how comprovado para oferecer.

 15977178_1989830837912351_625506590561434944_n
Anúncios

Comentários desativados em EXECUÇÃO CONSTITUINTE PELAS ARMAS

Arquivado em Documentos, Forças Armadas, Notícias do Front, PROJETO AMAZÔNIA

Os comentários estão desativados.