DILMA, CHEGOU A SUA HORA

interv

AULA DE CIDADANIA DADA PELAS FORÇAS ARMADAS POR CELIO EVANGELISTA FERREIRA DO NASCIMENTO, ESCRIBA DA CONSTITUIÇÃO NO PATROCÍNIO DA INTERVENÇÃO CONSTITUINTE”
PÚBLICO ALVO: SENADORES, MINISTROS DO STF, PROCURADORES DA REPÚBLICA, DOCENTES.
O senador docente José Serra expondo seu analfabetismo sobre a democracia constitucional brasileira, e a sua confissão de autoria no roubo do País, genocídio da Nação e destruição da Pátria que está exposto no corpo de delito do Brasil, lecionou em Portugal que: “Se o Exército brasileiro ainda tivesse a força que tinha naquele momento, não tenha dúvida de que já teria tido uma militarização no país. A situação à época do golpe de 1964 era menos complexa do que a atual.”
Considerando que o senador é professor, fica explicado o “fenômeno” dos “doutores” que ele forma não saberem ler a Constituição e terem em Nelson Barbosa seu expoente de burrice e desavergonhamento no campo do conhecimento de economia, finanças, patrimônio, gestão pública. Pois, em primeiro lugar, na democracia constitucional brasileira, as Forças Armadas são o equipamento bélico do povo, formado de armas, munições, veículos, instrumental de comunicação e soldados. E, ELAS NÃO SÃO NADA, porque não têm reação própria. São como a própria morte que é o PODER DAS ARMAS: SEM FORMA PRÓPRIA, porque a forma delas é a do conflito que têm de enfrentar NO POVO ATACADO.
E, na civilização brasileira, o SACERDÓCIO DAS ARMAS é unicamente de LEGÍTIMA DEFESA. A cabeça dos nossos soldados é construída para RACIOCINAR UNICAMENTE EM DEFESA DA PÁTRIA; jamais para usar a Pátria como instrumento de índole imperialista, de tendência conquistadora. Por isto são as Forças Armadas brasileiras ou seus oficiais, que executam as intervenções de paz da ONU.
Diferente das FF.AA. dos EUA que são imperialistas. A cabeça dos soldados americanos é construída para eles entenderem que “a segurança dos USA depende da capacidade de expansão da influência americana no mundo.” Eles achavam que o gigantismo econômico, científico e bélico deles os evidenciavam de tal forma que, ou eles tutelavam o mundo, ou o mundo lhes representava o meio bacteriológico no qual eles existiam. Foi a China que lhes ensinou o contrário disso; mostrando-lhes que se consegue paz interna com manutenção de crescimento econômico por envolvimento do mundo com o que a gente produz.
E estes conhecimentos e informações um senador e professor formador de doutores tinha de saber. Por isto a retórica sem enfeites DOS HOMENS MORALMENTE DESNUDOS EM GRAU DE CONFRONTO, o chama de bandido terrorista em ação contra o povo brasileiro, porque é um sujeito que está apodrecendo a civilização e impedindo as necessidades de desenvolvimento da sua nação. De forma dolosa, porque ele procede assim por ser bandido terrorista ocupado em roubar o País como o seu corpo de delito mostra.
As Forças Armadas não estão no governo do País, porque a Constituição não lhes dá capacidade de ação direta EM NADA. Elas estão sujeitas ao COMANDO SUPREMO E AUTORIDADE SUPREA DO POVO que delega essa patente constitucional ao presidente da República, fazendo no seu mandato, a fusão do voto com a bala, ou do poder político com o poder militar, sem se dissolver na delegação, porque continua dono da investidura pelo exercício direito do poder, que exerce automaticamente quando o presidente da República trai os objetivos constitucionais do mandato. Rompe-se o Estado Democrático de Direito na Magistratura de Estado, dando emersão ao POVO EM FORO DE SOBERANIA sobre a RAZÃO DE ESTADO ou CRISE INSTITUCIONAL DE ESTADO que fez a ruptura, E isto ocorreu em 2004 quando Luiz Inácio Lula da Silva, pelos seus ministros Luiz Gushiken e Marcio Thomaz Bastos anunciou que: “Era um governo de esquerda com o Projeto de Poder do PT de Comunizar o Brasil Em 22 Anos,” através da FARRA DO PT NO PODER, já ocupada em roubar o País, massacrar a Nação e destruir a Pátria. FAZENDO ALIANÇAS COM DEUS E O DIABO; transformando a democracia numa cleptocracia, com o povo sequestrado em seus lares e locais de trabalho, sob o terrorismo do medo, insegurança pública, insegurança jurídica, insegurança econômica e insegurança nacional.
Nisso erigiu-se a RAZÃO DE ESTADO assentada na Lei terrorista 10.826 de 22.12.2003, dando emersão ao POVO EM FORO DE SOBERANIA para fazer a INTERVENÇÃO CONSTITUINTE NO PROCESSO HISTÓRICO. A qual fui eu que instalei por REAÇÃO DE CIDADANIA promovida com as CPIs dos Correios e do Mensalão quando fui requisitado para a tarefa. (Tenho tudo documentado). Porquanto a RAZÃO DE ESTADO traz implícita a titularidade constitucional, a legitimidade de reação e a finalidade da intervenção. Como qualquer ação forense que tem de materializar-se em Direito por: pretensão, ação e mérito. Porque a democracia constitucional brasileira é FORENSE MERITÓRIA MILITAR. O PODER NÃO É IMPOSTO DE CIMA PARA BAIXO, MAS, É REPRESENTATIVO. DO POVO PARA O ESTADO E NESSA NATUREZA A DELEGAÇÃO MANDATÁRIA TEM DE SER REALIZADA.
Mas, por que a intervenção não se fez naquele tempo? Porque as Forças Armadas são delegatárias do “Ideário da Revolução de 64” que estabelecia o período de 1985 a 2.014/2.016 para o absorvimento da subversão comunista terrorista na baderna política que a República instalou pelo velho script dos salvadores do povo contra os vilões da pátria, encenado eleitoralmente entre liberais e conservadores, pelo qual mantém o País como despojo político entre as oligarquias do poder que se enriquecem pelo roubo do País, mantendo o subdesenvolvimento, a ignorância, a doença e a fome como instrumentos de legitimação de investiduras. Cujo expurgo, o “Ideário da Revolução de 64” estabelece que deveria ocorrer por suicídio de poder. Vez que, desde 1.919 quando o comunismo apareceu no Brasil, ele foi combatido por repressão armada, como se fazia no mundo todo e ele só se propagava. Então, estudos profundos, científicos e magistrais da história e da conduta da espécie humana, mostraram que a fórmula contra o comunismo que se ramifica em banditismo, terrorismo, roubo, massacre e apodrecimento da civilização, é da ELIMINAÇÃO POR EXPURGO ATRAVÉS DO SUICIDO DE PODER. No qual ele levaria o subdesenvolvimento do Brasil, se tivesse tratamento de inteligência e não de armas.
Então, diante do sucesso desse tratamento iniciado com as CPIs dos Correios e do Mensalão, as Forças Armadas se mantiveram, na REAÇÃO DE CIDADANIA em posição de sustentação da operacionalidade de inteligência nas entranhas da subversão comunista terrorista que, apressadamente, ganhava tipificação de anarquia oligárquica comunista, terrorista fundamentalista de bandidos. Efetivando o “Projeto de Poder do PT de Comunizar o Brasil Em 22 Anos” na medida em que destruía eficácia ao Estado Democrático de Direito e solidificava o banditismo terrorista como sistema de poder bifurcado em bandidagem no poder aninhada no erário público e ocupada em roubar o País, massacrar a Nação e destruir a Pátria, e bandidagem de campo aninhada no “fome zero” e ocupada em matar, estuprar, assaltar, sequestrar e aterrorizar a população; distribuída na República em crime organizado no governo, operado por gangues políticas e gerido por corporações quadrilheiras. Por onde deixaram a nação sem foro de socorro no Regime, porque, perante qualquer poder, peticiona ao próprio bandido ou a protetor dele. na medida em que o FORO DE SÃO PAUJO se disseminava em Ursal, Unasul, Organização do Tratado de Segurança Coletiva, Comunidade de Estados Independentes, Organização de Cooperação de Shangai, União dos Exércitos de Cuba, Vietnã do Norte, Coreia do Norte e Brasil, BRICs, Hamas, AL Qaeda, Talebans, Esbollah, Boko Haran e Estado Islâmico.
E, com a Lei terrorista nº 12.528/2011, destruíram eficácia à Constituição e restabeleceram o status quo ante da Revolução de 64 declarando a subversão comunista vencedora e a nação vencida em suas Forças Armadas, para responder como infame em seus soldados vivos e mortos, as condenações de execração moral e esquartejamento de personalidade, com indenizações de guerra aos meliantes respectivos. Tipificando-se CRISE INSTITUCIONAL DE ESTADO que identifica no corpo de delito do País, o ESTADO DE GUERRA MARGINAL COMUNISTA TERRORISTA, de propósito genocida vez que seu objetivo é roubar o País, já em mais de R$ 36 trilhões, em cujo desempenho já mataram mais de 5 milhões de pessoas, e na última rodada de roubos chamada de “ajuste fiscal,” já roubaram só das Forças Armadas R$ 5.617 bilhões em 2.015 e jogaram ao extermínio pela miséria mais 9,8 milhões de pais e arrimos de família.
Efetivando-se assim, o suicídio de poder com a Lei Complementar nº 276/2014 e o Decreto nº 8.243/2014, que atingiu seu estado de agonia com as eleições terroristas de 2.014 promovidas pelo Foro de São Paulo com dinheiro roubado da Petrobrás, BNDES, Eletrobrás, Eletronuclear, Cofres Públicos e do povo, com as quais ele produziu o sufrágio e fabricou com o mesmo o mandato de Dilma Vana Rousseff, nas urnas eletrônicas. Sobre cujo evento desencadeou-se o espetáculo de envolvimento do povo, bem como foi feito em todos os países onde a subversão terrorista usou a “revolução gramscista” para implantar o banditismo comunista por apodrecimento moral da civilização, ineficácia das instituições e corrupção generalizada envolvendo população e políticos num contexto indissociável de roubalheira recíproca, prostituição e cafajestismo. Encenando entre a bandidagem do poder com as respectivas gangues operacionais e corporações quadrilheiras de sustentação, o script dos impeachment e cassações; com todos acusando a todos, mas, TODOS AGREGADOS SEM BRIGA NO ROUBO DO PAÍS. No qual, o espetáculo de palco para a nação, realiza entre eles, os ajustes de partilha da roubalheira.
Então, contrariamente ao que José Serra lecionou aos portugueses, as Forças Armadas brasileiras estão constitucionalmente convocadas para efetivarem a INTERVENÇÃO CONSTITUINTE NO PROCESSO HISTÓRICO que a Constituição institui, desde o dia 23 de março de 2.015, por ATO INSTITUCIONAL DE CIDADANIA devidamente recebido, reconhecido e homologado pela Procuradoria da República, Supremo Tribunal Federal e os poderes constitucionais, incluindo a Presidência da República.
E como a INTERVENÇÃO É FORENSE porque se processa PELO POVO EM FORO DE SOBERANIA, a sua efetivação é igual ao cumprimento de um mandado judicial pela Polícia. Não há golpe e nem deposição. Apenas as Forças Armadas efetuam a PRISÃO de Dilma Vana Rousseff e dão posse perante o Supremo Tribunal Federal, ao Presidente constituinte interino no cargo, sem provocar nenhum tipo de tumulto na ORDEM CONSTITUCIONAL, que assim é restabelecida.
In casu, a gradação substitutiva de Dilma no art. 80 e no art. 91 inc. VIII da Constituição estão vagas em decorrência da nulidade absoluta das eleições de 2.014. E por isso, o socorro à Constituição é do art. 1º incs. I, II,V e Parág. único, com o art. 4º inc. III, o art.14 com o art. 77 e o art. 84 inc. XIII com o art. 142 da Constituição que recepcionam o art. 1º com o art. 5º n. 1, o art. 10º n. 1, 2 da Convenção Americana Sobre Direitos Humanos, o art. 2º com o art. 21 n. 1 da Declaração Universal dos Direitos do Homem, a Resol. do CS/ONU n. 1.373 de 28.09.2001, e faz aplicável o art. 6º com o art. 8º da Carta Democrática Interamericana, e o art. 55 c, da Carta da ONU, por aplicação do Decreto n. 5.639 de 26.12.2005, com o Decreto n. 4.388 de 25.09.2002, que supre a interinidade do cargo de Presidente da República com um cidadão que se apresente para a tarefa. In casu, Celio Evangelista Ferreira do Nascimento resultou apresentado desde 1988 quando ajudou escrever a Constituição que ora executa na INTERVENÇÃO CONSTITUINTE NO PROCESSO HISTÓRICO. Não significando, entretanto, que até o dia da prisão de Dilma não se apresente outro.
Então, nobre povo português, contrariamente ao que o docente senador José Serra vos lecionou, na democracia brasileira, as Forças Armadas não fazem intervenção, nem revolução, nem golpe de Estado, nem deposição de governo. Porque antes disso, a RAZÃO DE ESTADO ou a CRISE INSTITUCIONAL DE ESTADO rompe o Estado Democrático de Direito na fusão do poder político com o poder militar, dando emersão ao POVO EM FORO DE SOBERANIA, ou poder constituinte, ou cidadania (tudo diz a mesma coisa) no comando
supremo e autoridade suprema das Forças Armadas. E nessa ORIGINALIDADE CONTITUCIONAL, O POVO EM ARMAS RECUPERA A ORDEM CONSTITUCIONAL E RESTABELECE CURSO AO PROCESSO HSITÓRICO PELA SUA VOCAÇÃO DE LIBERDADE, REGIDA PELA UNIDADE DA NAÇÃO.
Só a Constituição brasileira tem essa construção, preservando o PODER CONSTITUINTE no PODER CONSTITUCIONAL, como equipamento de auto defesa da Constituição. Porquanto, esta institui o Estado Democrático de Direito para a operacionalidade da dinâmica nacional bifurcada em Processo Social na Ordem Jurídica tutelar e coercitiva, e Processo Histórico na Ordem Constitucional normativa e institucional. Desta decorre a regência política da nação; daquela, a regência jurídica. Ambas OPERADAS PELO DIREITO e IMPOSTAS PELA BALA.
Mas, porque as Forças armadas estão constitucionalmente convocadas desde o dia 23.03.2015 para efetivar a INTERVENÇÃO e até agora não atenderam o comando supremo e autoridade suprem do povo que as convocou? Porque, como José Serra referiu, estamos sofrendo a “revolução bolivariana comunista” fundida com o “terrorismo islâmico” tentando construir no Brasil o armagedom que a “nova ordem mundial” promove. E para evitar isso, só havia uma fórmula: transformar isso em caso de polícia, ao encargo da Polícia Federal. E nisto a Polícia Federal vem se desempenhando com competência e patriotismo insuspeito, sob o desempenho intocável do Magistrado Sergio Moro. E ai, Dilma Vana Rousseff, como simples bandida terrorista em flagrante delito de usurpação do cargo público de presidente da República, em cujo, ela está em atividade criminosa diversificada, mostrando sua índole marginal irrecuperável, ela está fora do “foro privilegiado” e sua atuação criminosa no campo da repressão policial. Por isto, o POVO ESTÁ OCUPADO COM A ELABORAÇÃO DA PROGRAMAÇÃO DE RECUPERAÇÃO ECONÔMICA, SOCIAL E INSTITUCIONAL DO PAIS, face a 9,8 milhões de pessoas jogadas ao corredor de extermínio pela bandidagem terrorista no poder. Enquanto a “Operação Lava Jata” e suas ramificações processam a prisão de Dilma perante o Magistrado Moro. Cujo desempenho está indo muito bem.
Assim a menos que ocorra um ataque de parte dos bandidos que estão entrincheirados com Dilma na Presidência da República, Ministério da Justiça, Advocacia-Geral da União, ou de suas forças de campo, o POVO TEM CONDIÇÕES DE AGUARDAR A PRISÃO DE DILMA E DOS TERRORISTA COM ELA ENTRINCHEIRADOS, pela Polícia Federal, para, então, com a Presidência da República desocupada, dar posse ao titular interino no cargo, para que ele realize as eleições plebiscitárias no prazo constitucional.
Os requisitos, pressupostos e condições da INTERVENÇÃO CONSTITUINTE NO PROCESSO HISTÓRICO estão presente pela RAZÃO DE ESTADO, CRISE INSTITUCIONAL DE ESTADO, ASSALTO AO PODER, FALÊNCIA DO PAÍS E CAOS SOCIAL Indicando a intervenção para fazer a recuperação da vocação de liberdade do povo brasileiro; restabelecer o Estado Democrático de Direito; restaurar a unidade da nação e reencaminhar o País para o trabalho. Logo, não se trata de conflito político de interesses ideológicos, e sim, de EXECUÇÃO DA CONSTITUIÇÃO sobre a civilização brasileira em destruição. Na qual a bandidagem no poder responderá em corte marcial pelo roubo do País de mais de R$ 36 trilhões, no qual mataram mais de 5 milhões de pessoas e estão com mais 9,8 milhões no corredor da morte na rodada final de roubo pela modalidade de “ajuste fiscal.”
E à INTERVENÇÃO não importa o espetáculo do impeachment, porque ele é SÓ UMA PALHAÇADA ENTRE A BANDIDAGEM AGREGADA NO PODER PELO FORO DE SÃO PAULO, ATRAVÉS DE ROUBO DO PAIS, PORQUE NENHUM PARLAMENTAR TEM MANDATO LEGITIMO PARA INSTAURAR FORO PARLAMENTAR DE IMPEACHMENT. E DILMA VANA ROUSSEFF NÃO TEM MANDATO PARA SER CASSADO. LOGO, ESTÃO SÓ INSTITUCIONALIZANDO O BANDITISMO QUE ESTÁ DIZIMANDO A NAÇÃO. Só o fato de instaurarem o impeachment já os agrega em corporação quadrilheira de terroristas com Dilma Vana Rousseff no Foro de São Paulo.
Então, nobre povo português, não se apavorem se o Brasil tiver de vos pedir prisões emprestadas, a partir de qualquer dia.
Quartel General do Exército – Brasilia/DF, 07 de abril de 2.016
celio evangelista ferreira do nascimento
na representação constitucional do povo
no comando supremo e autoridade suprema das Forças Armadas.

 

 

Anúncios

Comentários desativados em DILMA, CHEGOU A SUA HORA

por | 9 de abril de 2016 · 22:36

Os comentários estão desativados.